Atrasados do Minha Casa Minha Vida somam R$ 500 milhões

Publicado em 4 de novembro de 2019 às 10:41

Em audiência na Comissão de Integração Nacional da Câmara, o representante do Ministério do Desenvolvimento Regional, Daniel Ferreira, disse que os pagamentos em atraso do programa Minha Casa, Minha Vida somam R$ 500 milhões. Essa parcela é correspondente à faixa do programa que atende famílias com renda de até R$ 1.800 mensais. São obras e partes de obras já medidas e não pagas.

Segundo Daniel, o governo vem liberando aos poucos os recursos, conforme o descontingenciamento do Orçamento da União, priorizando atrasos superiores a 60 dias. E ressaltou que o volume de liberação sempre é maior no final do ano.

“Quando há uma folga de recurso financeiro no Tesouro sempre há uma liberação maior em dezembro. Eu faço a gestão desses programas orçamentários há três anos. E, nos últimos anos, todo mês de dezembro a gente conseguiu fazer um aporte nos fundos bem maior que a média mensal que a gente estava fazendo”

O representante da Câmara Brasileira da Indústria da Construção, José Carlos Martins, afirmou, porém, que a situação é crítica em algumas regiões e que faltaria R$ 1,5 bilhão de liberação orçamentária para o Minha Casa, Minha Vida este ano. O orçamento total é de R$ 5 bilhões.

“Nos ajudem a trabalhar no sentido de evitar desemprego em massa, porque as empresas não vão aguentar. Em muitos estados existe acordo entre os trabalhadores e as construtoras. Já foram dados avisos prévios que vão ser rasgados ao final do período”, afirmou.

Martins explicou que as empresas estão aguardando a entrada, no Orçamento da União, dos recursos do leilão de petróleo do pré-sal que será realizado no início de novembro.

O deputado Rafael Motta (PSB-RN) disse que requereu a audiência pública porque vários empresários do seu estado estavam procurando respostas sobre a liberação dos pagamentos. Ele criticou a ausência de representantes do Ministério da Economia no debate.

Daniel Ferreira lembrou que o governo está estudando modificações no programa Minha Casa, Minha Vida para 2020. Uma das ideias é conceder um voucher para a compra direta da casa própria pelas famílias de baixa renda.

 

Compartilhe essa notícia
Leia também
Instabilidade econômica favorece investimento em imóvel
CBIC faz avaliação preliminar dos efeitos da pandemia
CBIC apresenta Indicadores Imobiliários Nacionais do 1° trimestre
Construção civil opera apenas 50% da capacidade em abril
Locação em São Paulo sente impacto da pandemia
Bolsonaro: construção civil é atividade essencial
Pesquisa aponta queda na atividade da construção civil
Construção Civil perdeu 440 mil ocupações no primeiro trimestre do ano
Rio de Janeiro adota medidas para manter construção na ativa
Secovis do Brasil lançam vídeo sobre segmento imobiliário