Lello usa tecnologia artificial para conter custos em condomínio

Publicado em 7 de outubro de 2019 às 09:24

O uso de inteligência artificial e de algoritmos tem ajudado condomínios de São Paulo a identificar e cortar gorduras no orçamento, evitando o descontrole com as despesas.

A ferramenta, chamada “Esquadrão da Economia”, foi criada pela Lello, maior administradora de condomínios do Brasil e quinta do mundo, com uma carteira de cerca de três mil edifícios na capital paulista, ABC, interior e litoral do Estado. Segundo a empresa, a média da cota de condomínio paga pelo paulistano é de R$ 890 por mês, atualmente.

Com o uso de tecnologia, aliada à experiência de 65 anos da Lello no mercado e à sua grande base de clientes, é possível analisar, comparar e prever o comportamento do fluxo de caixa do condomínio, bem como fazer comparações de custos de prédios equivalentes.

Assim, a administradora consegue montar instantaneamente um plano de ação com as melhores práticas para cada condomínio, seja em relação a despesas com pessoal, contratos com fornecedores e custos com água e energia elétrica, entre outros itens. O “Esquadrão da Economia” já auxiliou na revisão nas despesas de mais de mil condomínios administrados pela Lello.

Segundo Angélica Arbex, gerente de Relacionamento com o Cliente da LelloCondomínios, a criação do “Esquadrão” só foi possível em razão da união entre tecnologia e profundo conhecimento do mercado de condomínios, além da experiência acumulada em administração. “Só na capital paulista um em cada três dos 21 mil condomínios da cidade é ou já foi gerido por nós”, afirma.

Ela alerta que o descontrole nos gastos de um condomínio pode fazer com que os apartamentos se desvalorizem em relação a outros prédios similares. “É isso que queremos combater, com experiência, conhecimento e tecnologia”, diz Angélica.

Ela conta que em um condomínio situado em Moema, zona sul da capital, o estudo comparativo feito pela administradora em relação a outros prédios da região com o mesmo número de unidades permitiu identificar que o descontrole estava no quadro de funcionários causando um impacto expressivo nas despesas do prédio, e que o consumo de água e energia era excessivo.

A Lello então indicou a remodelagem no modelo de redução das despesas com o zelador – que não trabalharia mais em feriados -, um raio-x completo nas instalações hidráulicas nas áreas comuns e nos apartamentos e a contratação de uma consultoria para redução dos custos com luz. Com essas medidas a previsão de reajuste do condomínio naquele edifício para este ano caiu de 12,7% para apenas 5%. Poderia até ser menor o reajuste, mas o condomínio optou por fazer uma poupança maior.

Entre as medidas implantadas com êxito em condomínios, e que contribuíram para conter o avanço das despesas ou mesmo sua redução estão a instalação de portarias remotas e o uso de novas tecnologias para contratos e consumos.

“O valor do condomínio é uma questão fundamental das grandes cidades brasileiras atualmente, e que precisa ser enfrentado com inteligência e inovação, evitando que a situação saia do controle”, conclui a gerente da Lello.

Fonte: InfoMoney

Compartilhe essa notícia
Leia também
STJ reforça entendimento sobre bem penhorado por dívida condominial
Mudas de ipê garantem futuro florido em condomínio popular
Queda de elevador mata quatro pessoas
Condomínio não pode impedir circulação de cães com guia e coleira
Isenção de taxa condominial de síndicos não é tributável pelo IR
Justiça suspende obras de condomínio por questão ambiental
Antes de comprar apartamento, conheça o condomínio!
Condomínios de Curitiba têm açougue self-service
Mulher é condenada a um ano por racismo contra síndico
Regras da ABNT orientam manutenção predial