Mulher na Construção Civil cresce 120% nos últimos 12 anos

Publicado em 13 de março de 2020 às 09:22

A presença de profissionais mulheres no setor de construção civil – majoritariamente dominado pelo público masculino – tem se tornado cada vez mais forte e recorrente.  Após a crise que se instalou no setor nos últimos anos, dados do Sindicato da Construção Civil de São Paulo (Sinduscon-SP), mostram que o emprego na construção brasileira teve um considerável crescimento de 3,53% em 2019. Caminhando com esse cenário, a quantidade de profissionais do sexo feminino também aumentou e hoje é possível ver mais mulheres nas funções de ajudantes de obra, técnicas de segurança do trabalho, carpinteiras, pedreiras, arquitetas e engenheiras nos canteiros de obra de todo o País.

Essa nova ótica revela o quanto as mulheres estão investindo tempo, dinheiro e energia em capacitação nas mais diferentes áreas de atuação, com o objetivo de assumirem, em todos os níveis, profissões e cargos que antes eram exclusivamente ocupados por homens. Prova disso é que nos últimos 12 anos a quantidade de mulheres no setor da construção civil cresceu 120%, segundo dados do IBGE, passando de pouco mais de 109 mil no início de 2007 para 239.242 mil profissionais do sexo feminino registrados em 2018.

Existem cerca de 2 milhões de trabalhadores na categoria, mas as mulheres correspondem a uma fatia de apenas 10% e, além da diferença salarial, com remunerações equivalentes a 79% dos valores pagos mensalmente aos homens com as mesmas funções, nível de conhecimento e experiência. No entanto, todos esses parâmetros mostram que o mercado para o público feminino segue em evolução, com tendência para atingir um patamar razoavelmente ideal e justo.

O mercado de busca de empregos e profissionais também aderiu ao movimento digital e existem plataformas para isso como o habitissimo, que é marketplace exclusivo para contratação de serviços em construção civil. Entre a gama de profissionais de diferentes áreas que atuam no Brasil, cerca de 14% são mulheres que adotaram a plataforma como meio de conquistar clientes e promover suas atividades.

Presente em nove países, sendo o Brasil o segundo principal mercado da plataforma, curiosamente, a equipe de profissionais que cuidam da operação Brasil Portugal possui a maior parte de profissionais mulheres. “Sabendo o quanto as mulheres são dedicadas nas funções que assumem, podemos dizer que a expansão do habitissimo no Brasil se dá por esse time quase que exclusivamente feminino”, comenta Gabriela Nucci, Analista de Imprensa e Marketing Digital da plataforma.

Compartilhe essa notícia
Leia também
Aluguel: veja orientação em época de pandemia
Caixa: mais de 100 mil pedidos de pausa no contrato habitacional
MP estabelece regras para relações trabalhistas
Medidas econômicas para reduzir impactos do Covid 19 nas empresas
CNN estreia no Brasil com promessa de jornalismo independente
Construção civil: crescimento e seu impacto no PIB
OLX Brasil anuncia compra do Grupo Zap
92º ENIC será realizado em espaço versátil com localização estratégica
Cresce população ocupada na construção civil no trimestre
Summit Imobiliário de 2020: inscrições abertas