Rio: região central pode voltar a ser residencial

Publicado em 2 de dezembro de 2019 às 09:28

A região Central da cidade do Rio de Janeiro passou por grandes transformações nos últimos anos. Através do programa Porto Maravilha, o centro histórico vem passando por um acelerado processo de revitalização e valorização e, promete ser o bairro do futuro para o setor imobiliário.

De acordo com um levantamento do Sindicato da Habitação do Rio de Janeiro, Secovi Rio, é possível obter várias informações de compra, venda, locação e taxas de condomínio em imóveis residenciais e comerciais de nove bairros da região.

O evento contou com a presença de 70 pessoas e foi aberto pelo vice-presidente administrativo e financeiro, Ronaldo Coelho Netto, que apresentou todos os serviços oferecidos pela entidade, dando detalhes sobre os projetos que afetam diretamente os condomínios e empresas do mercado imobiliário em andamento nas esferas municipal, estadual e federal.

Os dados da pesquisa foram apresentados pelo vice-presidente Leonardo Schneider e, segundo ele, a mobilidade é o que está dando o tom para as novas mudanças na região. “A Zona Central está ganhando uma nova vocação, algo parecido com o que acontece em toda a Europa, onde o centro é também uma área residencial. A aposta maior está nos coliving’s, um conceito de habitação facilitado pelo novo Código de Obras do Rio. Aos poucos, o mercado mostra alguns indícios de melhora, mesmo que devagar, mas que devem impactar o Centro em breve”, afirmou Schneider.

Em seguida, Márcia Fonseca, diretora da Colliers, empresa internacional de serviços imobiliários e gestão de investimentos, palestrou sobre o mercado corporativo da região. De acordo com ela, o momento é de positividade para o setor, principalmente no Porto Maravilha. “A gente deixou de estar negativo, saímos do CTI. A crise é boa porque mostra onde a gente precisa se atualizar e se modernizar. O mercado corporativo no Porto já é uma realidade. Nós estamos levando os funcionários para lá. Estejam prontos para levar os residenciais”, provocou a diretora da Colliers.

O evento ainda contou com os patrocínios das empresas Haganá, Alterdata e Castelo Cobranças, cujos representantes puderam fazer uma breve apresentação dos produtos e serviços oferecidos pelas instituições patrocinadoras.

Compartilhe essa notícia
Leia também
Ação AVC realizará evento online e gratuito para acometidos pelo AVC
Governo sanciona lei que obriga uso de máscaras
São Paulo reabre bares e restaurantes
Lei que isenta IPTU de clínicas de animais abandonados é mantida
Shopping permite carros nos corredores
DF autoriza reabertura de bares e escolas
Maceió muda de fase e parte do comércio reabre
As praias de Fernando de Noronha já estão abertas
São Paulo vai multar pessoas sem máscaras nas ruas
ANS obriga planos de saúde a incluir testes de COVID-19