Sete capitais reajustam valor da tarifa de transporte público

Publicado em 13 de janeiro de 2020 às 10:28

O transporte público vai ficar mais caro em algumas capitais do país. As cidades de São Paulo, Macapá, Brasília, Recife, Boa Vista, Vitória e Campo Grande reajustaram as tarifas. A cidade de Maceió também está em processo de reajuste, mas depende da aprovação do prefeito Rui Palmeira e do governador de Alagoas, Renan Filho. E nas outras capitais ainda não há sinalização de aumento.

Na capital federal, o aumento das tarifas foi de 10%. Assim, os bilhetes de metrô, ligações longas/Integração, usadas por 38% dos usuários do sistema de transporte e que, normalmente, moram nas regiões mais afastadas do DF ou que utilizam mais de um transporte para chegar ao seu destino, passam de R$5,00 para R$5,50. Já as linhas circulares internas, utilizadas para deslocamento interno, nas próprias regiões administrativas, vão custar R$2,50. Enquanto as linhas de ligações curtas, a mais utilizada no DF (por 44% da população), saem de R$3,50 para R$3,85.

Brasília é a única cidade do Brasil que oferece 100% de gratuidade do transporte público para todos os estudantes e pessoas com deficiência. “A gratuidade é uma opção que o governo colocou no sistema para incentivar o uso de transporte coletivo em detrimento do individual. Eu não acredito que a gente tem que acabar com a gratuidade. Não é isso que gera a necessidade desse aumento aqui”, disse o secretário de Mobilidade do Distrito Federal, Valter Casimiro, durante entrevista coletiva sobre o reajuste.

Movimentação de ônibus na Avenida Paulista em São Paulo (SP) — Foto: JÚLIO ZERBATTO/FUTURA PRESS/FUTURA PRESS/ESTADÃO CONTEÚDO

Foto: REPRODUÇÃO (JÚLIO ZERBATTO/FUTURA PRESS/FUTURA PRESS/ESTADÃO CONTEÚDO)

Com um reajuste abaixo da inflação, o transporte público (ônibus, metrô e trem) em São Paulo teve aumento de R$ 0,10, que vigora já vigora desde o primeiro dia do ano. Com elevação de 2,33%, o custo passa de R$4,30 para R$4,40.

“Em função da mexida que nós vamos fazer, dentro do novo contrato, com o novo sistema e com as novas linhas e com as adaptações que serão feitas, R$ 0,10 na nossa conta é o suficiente para não onerar demais a população”, explicou secretário de Mobilidade e Transportes da cidade de São Paulo, Edson Caram.

Já no Rio de Janeiro, os ônibus seguem com os mesmos valores. O que vai aumentar são as tarifas de trens e barcas, a partir de fevereiro, e o metrô, em abril. Em Macapá, a tarifa saltou de R$ 3,50 para R$ 3,70. Já na capital do Espirito Santo, o cidadão que pagava R$ 3,75, agora vai passar a pagar R$ 3,90. Em Campo Grande, passou de R$ 3,95 para R$ 4,10. E em Boa Vista, as tarifas de ônibus que custavam de R$ 3,60 serão R$ 3,75 e táxi-lotação sai de R$ 4 para R$ 4,50.

No Recife, os cerca de 400 mil passageiros que usam diariamente o sistema de metrô passaram a pagar R$ 3,70, ante R$3,40 no ano passado. O preço do metrô na capital pernambucana sofreu aumento escalonado e, com a autorização da Justiça, a passagem que custava R$1,60 no início de 2019 sofreu reajustes sequenciais e vai custar R$4 em março – somando um aumento de 150%.

Compartilhe essa notícia
Leia também
Fecomércio-DF orienta consumidores a apoiar as empresas da cidade
Pagamento de tarifa de esgoto faz parte da manutenção dos sistemas
Cidades do Nordeste são as mais procuradas para viajar em 2020
Ribeirão Preto vai indenizar morador por desvalorização de imóvel
Corinthians pode resolver problema de preservação ambiental em audiência
Cidades em SC cobram taxa para turistas
IPTU fica mais caro em várias cidades do país
Bairro tem autorização de ligação elétrica regular negada pela Justiça
CDHU abre inscrições para sorteio de casas em cidades de São Paulo
Nova licença ambiental de Curitiba amplia geração de energia limpa